[A Princesa da Árvore] Prólogo



Eu tinha 11 anos quando a minha mãe morreu. Ela era tudo para mim, tudo o que possuía e que pudesse se chamar, sem mentiras, de família. Portanto, não tardou para que as tias de linhagem distante e mais velhas, penalizadas, oferecessem-me ajudas que se resumiam a palavras e promessas vazias. Pode contar comigo para o que precisar. Você não está desamparado, diziam, enquanto me abraçavam e enchiam minhas faces com beijos vermelhos, borrando minhas maçãs rosadas de rubro. O perfume forte e sempre muito doce delas impregnava em minhas roupas e em minhas narinas. Era difícil livrar-me de tais manchas e aroma.
Um mês depois, eu estava sozinho. Ninguém aparecera para cumprir suas promessas.
Disseram-me, então, que minha mãe estaria sempre por perto de mim, protegendo-me e guiando meus caminhos. Isso me animou e acalentou minha dor incurável. Tentei manter contato com ela todas as noites. Fechava meus olhos e a imaginava, desejando veementemente que aparecesse, se personificasse, para que pudéssemos desfrutar de algumas horas de conversa e carinho. Entretanto, ela nuca veio.
Aí tentei ficar mais próximo de Deus. Procurei fazer amizade com Ele, conversava com o nada, imaginando que o todo poderoso me escutaria. Após inúmeros monólogos com a parede, pedi que o Senhor entrasse em contato comigo, manifestando, assim, sua existência divina. Mas Deus, também, nunca escutou meus apelos. Jamais se pronunciou.
Depois, desisti.
Então o ceticismo surgiu, matando minhas esperanças infantis e corroendo minha fé. Deixei de acreditar em muita coisa. Parei de crer nas pessoas, no imaterial, no divino. Minhas leis seguiam a lógica da selva. Era preciso aprender a sobreviver no inferno terreno e esquecer a existência do paraíso. Porque essa era a verdade universal: o inferno está aqui, e os demônios somos nós mesmos.
E demônios não sobem aos céus.

1 comentários:

Álison Freire 11 de março de 2012 07:35  

Qual será a frequência de postagem dos "episódios"? =)
Fiquei mais interessado depois de ler esse prólogo. \o/

Postar um comentário

Followers

A Dama Pálida

Minha foto
Kamile Girão
Fortaleza, Ceará, Brazil
Garota, estudante de Letras, protótipo de escritora. Ama velharia, música antiga, pilhas de livros, pilhas de DVD's, desenho, bonecas, um sardentinho geek e, principalmente, escrever.
Visualizar meu perfil completo
Ocorreu um erro neste gadget
Blog contents © O Fabuloso Destino da Kami 2010. Blogger Theme by NymFont.